A internet e a Covid-19

"Muitos podem exercer o teletrabalho e realizar suas funções de casa, sem precisar se deslocar para a empresa”

Em meio à pandemia do novo coronavírus, é cada vez mais comum o compartilhamento de notícias falsas, as chamadas fake news, sobre o assunto. Além de causarem pânico e medo na população, elas podem prejudicar a batalha contra a doença. Nesse contexto, a internet é apontada por muitos como a principal culpada pela disseminação destas informações. Muitos ignoram os inúmeros benefícios que ela nos traz nesse período delicado e acham mais fácil culpá-la pelas inverdades compartilhadas.

Esse comportamento é muito comum quando se vive um momento de grande comoção ou desafio para a humanidade. Assim, surgem medidas radicais e projetos de leis que visam limitar o uso da Internet, com regras e punições, como se essa fosse a alternativa mais plausível para conter o caos.
Diferente disso, enxergo a internet como uma grande aliada nesse atual momento. Ela pode sim disseminar notícias falsas (e, nessa questão, cabe a nós ficarmos atentos ao que é verdade ou mentira), mas também permite o compartilhamento de informações verídicas e de suma importância para o mundo todo.

Essas informações trafegam de forma efetiva e rápida, permitindo que os governos adotem medidas pertinentes para combater o novo coronavírus, como a comunicação entre os países e a troca de conhecimento sobre o vírus. Além disso, em tempo de quarentena e isolamento, a internet nos oferece uma gama de serviços.
Já que o contato direto entre pessoas deve ser evitado, por meio dela podemos nos comunicar com familiares e amigos usando redes sociais e aplicativos de mensagens. Muitos também podem exercer o teletrabalho e realizar suas funções de casa, sem precisar se deslocar para a empresa. Isso faz com que a produção no País não pare completamente e a economia não caia de forma abrupta. Sem falar nos inúmeros serviços de streaming, que nos oferecem filmes, séries e músicas, como forma de entretenimento nessa fase de afastamento do convívio social.
Diante disso, é tempo de refletirmos sobre a importância da internet nesse momento crítico e não demonizá-la. Que ela continue sendo conhecida como uma ferramenta criada lá atrás para facilitar a comunicação e disseminar a liberdade de expressão. E, o mais importante: os que devem ser punidos são aqueles que cometem os desvios no mundo virtual, não as tecnologias.